sábado, 14 de junho de 2014

Vai Brasil! Me faz sentir orgulho de novo!

É tão estranho como as coisas mudam tanto quando a gente cresce. Lembro de quando era mais nova. Copa do mundo era uma coisa tão legal!

Você juntava a família e os amigos e era aquela festa. Queria muito sentir toda aquela empolgação de novo, mas fica complicado ligar a tevê e esquecer tanta coisa suja acontecendo ao mesmo tempo em que a bola rola no gramado.

E não dá mais nem para confiar no jogo, no talento  dos jogadores e numa competição séria. É tanta roubalheira, tanta maracutaia que você tem dúvidas até se o jogo é mesmo pra valer ou apenas mais um jeito de nos enganar.

Acho que a última vez que me empolguei de verdade num jogo do Brasil numa copa foi em 1994. Depois disso surgiram tantas coisas: juízes e jogos comprados, jogadores que se vendem de tudo que é jeito. Tanta manipulação dos patrocinadores, dos organizadores, da mídia... não dá pra confiar em nada!

Uma copa no Brasil teria sido tão legal se eu ainda fosse aquela menina de 1994, mas hoje isso tudo parece tão errado, tão mal feito, tão nocivo a tanta gente. Como eu vou me vestir de verde amarelo, pendurar uma bandeira na minha sacada, comprar uma vuvuzela e acabar rouca de tanto pular e gritar, com tanta coisa feia acontecendo?

Como eu vou sair por ai cantando o orgulho de ser brasileira, se hoje em dia não tenho orgulho nenhum? Na verdade cada vez mais sinto vergonha de ver o meu país fazendo tanta coisa errada e sendo motivo de piadas constantemente para o resto do mundo. Que orgulho eu teria de ser brasileira com mães parindo seus filhos no chão em porta de hospital, com doentes recebendo medicação no chão como se mendigos fossem? Que orgulho essa gente têm de ser brasileira com tanta gente massacrada para esse evento acontecer. Meus avós de quase 90 anos, inclusive, foram praticamente despejados da chácara deles em Cuiabá, para ampliar o aeroporto por causa dessa droga de Copa do Mundo.

E então finalmente a copa começou. Mesmo com o coração tristinho, liguei a tevê e fui ver o "show" brasileiro. Mais decepção e vergonha. Uma apresentação horrível, talvez a pior abertura de copa do mundo de todos os tempos. Um jogo cheio de estrelinhas compradas... 

Lembrei da empolgação em casa quando o Osmar Santos narrava os dribles e jogadas do Dotô Sócrates e do Zico. Eu nunca tinha visto ainda o Brasil ser campeão do Mundo, mas aquilo sim era um show! Era tanta alegria em casa. Não sei se essas coisas horrorosas já aconteciam naquela época, provavelmente sim, mas a gente acreditava de verdade na seleção. A gente torcia de verdade, sofria de verdade e era feliz de verdade.

Mas então eu olho para o lado...
Vejo meu pequenino tão empolgado dançando feliz quando toca qualquer música da copa na tevê. Seus olhinhos ficam felizes e vibrantes quando o papai e os amigos gritam: "gooooolllllllll"!

Então eu penso que não posso tirar a alegria de alguém que acabou de chegar. Não tenho o direito de privá-lo dessa empolgação inocente. As coisas mudaram, mudaram muito, mas em nome da felicidade desses bebês é preciso continuar. E é preciso pensar em algo urgentemente para mudar os rumos da coisa toda. Então me lembrei que em outubro tem eleição! Desejo ardentemente que tenhamos uma chance de mudar isso tudo, para que o meu pequeno empolgado aqui em casa possa ter orgulho de verdade de ser brasileiro quando crescer.

 Olívea e Tomás - a felicidade deles não tem preço!
Vai Brasil! Faça nossos pequenos sentirem orgulho!