sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Outono

No dia 18 de maio de 2009, o céu estava azul e eu me sentia exatamente assim:
O dia iluminado faz com que o vento frio pareça mais suave.
Eu adoro as manhãs e as tardes de outono. Esse preparo antecipado da natureza para as noites geladas do inverno.
Eu me pergunto: “como alguém pode não gostar de viver?”.
Só esse azul infinito e essa luz já são mais que suficientes para a vida valer à pena.
Cada dia que passa, mais eu amo o fato de estar viva, desfrutando dessa experiência maravilhosa de poder tocar o mundo e ser tocada por ele.
Todos os meus sentidos estão aguçadíssimos. Olhar esse céu de um azul profundo e as cores vivas lá fora, o cheiro das flores e do meu perfume preferido, a superfície gelada da minha mesa enquanto escrevo e o barulho da rua, dos pássaros na pracinha do final da rua Caracas.Isso tudo me toca e me enche de gratidão por esse momento.
E nesse instante de pura permissão e contemplação eu me sinto completamente parte do Universo.
Muitas vezes eu penso em que momento, qual coisa do meu cotidiano me modificou dessa forma. Eu não sei dizer em que situação eu percebi que a vida, seja como ela for, é mágica, maravilhosa e mesmo os momentos da mais intensa dor são importantes para o meu aprendizado.Eu tenho 37 anos, sou jovem ainda, espero ter muito tempo ainda pela frente, porque eu decidi aproveitar ao máximo essa experiência de respirar, de estar viva. E quando chegar a hora de partir, quero poder dizer que aproveitei tudo que pude dessa existência e que fui completamente feliz nesse mundo e que estarei pronta para minha próxima jornada.As pessoas podem até achar que eu gosto demais dos meus caderninhos, dos enfeites e quadros da minha casa, das minhas roupas, dos meus livros, filmes e cd´s, mas eu sei que um dia terei que partir sem bagagem alguma e exatamente por essa razão quero desfrutar cada instante que me resta para usufruir de tudo o que a vida me oferece tão gentilmente.
Quero gastar as cores, experimentar sabores e aromas, quero tocar e ser tocada.
Quero respirar profundamente , sentir o frio, calor, quero rir e chorar, quero me deliciar ao som da sinfonia de Beethoven, quero dançar sem vergonha alguma, quero correr, quero gritar…Quero cada segundo que for meu, cada segundo que a vida me permitir, porque por mais que a vida seja rigorosa e cobre o seu tempo, essa é a experiência mais rica e mais importante que tenho conhecimento.
18/05/2009

Um comentário:

  1. Ahhh eu super tive recentemente um momento parecido! De pura contemplação e contentamento, no qual vc se descobre super feliz pelo simples fato de poder viver... viver no sentido mais amplo da palavra: Permitir-se!

    ResponderExcluir