sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Monte Castelo

Todas as minhas grandes descobertas e os meus maiores aprendizados quase nunca me ocorrem da maneira que deveria ser, ou que se espera que seja.
Um dos mais belos textos que tive a felicidade de ler chegou até mim em 1991, na forma de uma canção.

Dizia o texto, entre outras coisas, que não importa quão importante ou especial você seja, se você não tiver amor de nada adiantaria qualquer dom que você pudesse ter.

Dizia ainda, que o amor é o maior e mais importante de todos os sentimentos.

Assim, por intermédio de Renato Russo, fui ler a bíblia pela primeira vez.

Apesar de todas as minhas dúvidas e descrenças com algumas coisas religiosas, o texto escrito a quase dois mil anos pelo apóstolo Paulo, me tocou profundamente.

Foi preciso que anos mais tarde eu conhecesse um outro Paulo, para que começasse a entender exatamente o que dizia o texto bíblico.

Sempre desejei encontrar o verdadeiro amor , o chamado Dom Supremo.

Porém sem encontrá-lo para mim mesma, decepcionada, muitas vezes cheguei a desacreditar da sua existência.

Há tempos percorro diferentes caminhos em busca do pedaço que me falta e na caminhada em busca do meu todo, descobri coisas muito importantes e fui encontrando parte da resposta aqui e ali.

Achei que a maternidade ou o prazer poderiam ser o que eu procurava, mas acabei me dando conta de que toda menina, desde o nascimento, é preparada para amar o filho que um dia terá e que essa entrega maternal nem sempre é real e pode ser absolutamente previsível e esperada e o êxtase do orgasmo é mais egoísmo que afeto.

Apesar de ambos serem parte do que considero sentimentos nobres, muitas vezes não são completamente despretenciosos.

Durante o trajeto, compreendi coisas valiosas, como por exemplo: que ser bom é ser honesto consigo mesmo e não apenas com as pessoas.

Que a justiça é também um direito do seu inimigo, que se colhe exatamente o que se plantou e que você é o único responsável pela sua própria felicidade.

Descobri que o respeito é tão importante quanto o amor e que duas pessoas com opiniões completamente opostas podem perfeitamente ter razão ao mesmo tempo.

Aprendi que o preconceito, racismo, orgulho e vaidade são os sentimentos mais desprezíveis que existem.

Que ter sabedoria sobre alguma coisa não te torna superior a nada e nem melhor que ninguém.

Mesmo desccobrindo coisas tão importantes, durante a minha caminhada deisiti de tentar compreender o amor em sua verdadeira essência e justamente quando deixei de tentar entender, consegui vislumbrá-lo.

Talvez por essa história não ser minha e a minha participação nela ser completamente desnecessária e sem pretensão alguma, consegui perceber o amor tocando as pessoas.

Foi preciso que eu presenciasse o reencontro de duas almas, para que o Capítulo 13 do livro de Coríntios na Bíblia, fizesse enfim sentido.

Foi necessário antes que dois meninos entrassem na minha vida e eu aprendesse amá-los.

Que eles se encontrassem e se apaixonassem bem ali na minha presença.

Que eu percebesse os primeiros olhares, a pureza e a sinceridade do afeto trocado entre eles. Que eu me transformasse numa simples expectadora e pudesse sentir em mim mesma a força da energia positiva que emanava deles, para que eu compreendesse o que Renato quis dizer em Monte Castelo.

Precisei antes de mais nada, que eu desejasse com toda honestidade que esse amor acontecesse entre eles.

Que eu constatasse primeiro a insanidade do meu mundo e me indignasse com a capacidade dos homens de julgar e condenar um amor que eles simplesmente desconhessem.

Que eu finalmente conseguisse transgredir regras que eu não acho justa e percebesse que a ignorância e a maldade humana desconhecem limites.

Foi necessário que eu desejasse com toda a força do meu ser, me transformar em alguém melhor.

Que conseguisse esquecer completamente de mim mesma e do meu próprio fracasso em encontrar minha metade.

Que dois garotos de corações puros, cuja sociedadde julga, condena, maltrata, discrimina e exclui, se apaixonassem na minha frente e eu transbordasse de amor pelo amor deles, para que finalmente eu pudesse compreender o amor.


Maio/2005

Nenhum comentário:

Postar um comentário